QUALIDADE DE VIDA DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UM ESTUDO ETNOGRÁFICO

  • Júlia Cristiane Schultz Pereira Universidade do Vale do Itajaí
  • Christiane Kleinübing Godoi Universidade do Vale do Itajaí
  • Ana Lúcia de Araújo Lima Coelho Universidade do Vale do Itajaí
Palavras-chave: Qualidade de vida, Catadores, Materiais recicláveis, Pesquisa etnográfica, Categorias.

Resumo

Este trabalho é um estudo etnográfico acerca da qualidade de vida (QV) no campo social, com os catadores de materiais recicláveis da ACMR – Associação de Coletores de Materiais Recicláveis, em Florianópolis. Esta população tem sido foco de estudos e adquirido importância para a sociedade, uma vez que cumpre o trabalho de coleta e venda de materiais recicláveis, realiza parte da limpeza da cidade, além de contribuír com a preservação ambiental. Deste modo, buscou-se compreender a manifestação das categorias da qualidade de vida dos catadores de materiais recicláveis da ACMR, formulando ao final da pesquisa novas definições acerca de qualidade de vida, a partir da visão destes catadores. Para os catadores, a QV pode ser vista como toda e qualquer possibilidade de melhorar as condições em que se encontram no momento atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia Cristiane Schultz Pereira, Universidade do Vale do Itajaí
Mestre em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí (2008). Professora do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São José.
Christiane Kleinübing Godoi, Universidade do Vale do Itajaí
Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001). Professora Titular da Universidade do Vale do Itajaí.
Ana Lúcia de Araújo Lima Coelho, Universidade do Vale do Itajaí
Doutoranda em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí. Professora Assistente da Universidade Federal do Acre.
Publicado
11-06-2012
Como Citar
Pereira, J. C. S., Godoi, C. K., & Coelho, A. L. de A. L. (2012). QUALIDADE DE VIDA DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: UM ESTUDO ETNOGRÁFICO. Gestão E Sociedade, 6(14), 159-177. https://doi.org/10.21171/ges.v6i14.1362
Seção
Artigos