O papel estratégico das NITs na política de inovação das instituições de ensino superior

  • Suely Xavier dos Santos Universidade Federal Rural do Semi-Árido-UFERSA
  • Ana Lúcia Brenner Barreto Miranda Universidade Federal Rural do Semi-Árido-UFERSA
  • Cristine Hermann Nodari Universidade FEEVALE
  • Cristiane Froehlich Universidade FEEVALE
  • David Custódio de Sena Universidade Federal Rural do Semi-Árido-UFERSA
Palavras-chave: Política de Inovação; Núcleo de Inovação Tecnológica; Novo Marco Legal; Instituição de Ensino Superior; Políticas Institucionais.

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar o papel estratégico dos NITs na elaboração das políticas de inovação das Instituições de Ensino Superior-IEs, nos Estados do Rio Grande do Norte (RN) e Paraíba (PB), bem como se as políticas das instituições atendem o art 15 da Lei 13.243/2016. A coleta dos dados foi realizada através de entrevistas com gestores e análise documental das políticas da inovação das instituições. Como resultados da pesquisa, percebeu-se o total apoio dos NITs na elaboração da Política da Inovação nas instituições. A participação da comunidade interna e externa na construção se deu através das discussões de minutas elaboradas pelos NITs e divulgadas em seus sites. O principal benefício da política da inovação é a proteção das criações e melhora da integração com as empresas privadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, V.C; ANTONIO, L.Q; ROCHA NETO, I. Gestão do Conhecimento e os Núcleos

de Inovação Tecnológica. In: ROCHA NETO, I. & ALONSO, L. B. N (Orgs). Gestão do Conhecimento: o olhar da complexidade. Brasília. Paralelo15, 2001.

ALVES, V. C.; ANTONIO, L. Q.; ROCHA NETO, I. Gestão do conhecimento e os núcleos de inovação tecnológica. In: ROCHA NETO, I.; ALONSO, L. B. N. (Orgs.). Gestão do conhecimento: o olhar da complexidade. Brasília: Paralelo 15, 2011.

ALVES, V. C; Segundo, G. S. A.; Sampaio, R. R. REFLEXÕES SOBRE AS COMPETÊNCIAS DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Cad. Prospec., Salvador, v. 8, n. 4, p. 688-696, out./dez. 2015.

AQUINO, Y. Governo regulamenta Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação. Agência Brasil de Notícias. Publicado em 08/02/2018 – 14h30. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/pesquisa-e-inovacao/noticia/2018-02/governo-regulamenta-marco-legal-da-ciencia-tecnologia-e-inovacao. Acesso em: 8. Mai. 2019.

ARAÚJO, A. K.; ARAÚJO, R. M. A inovação de processos: um estudo no segmento de restaurante. Revista de Cultura e Turismo, S.I, v. 7, n. 3, p.176-196, out. 2013.

BRASIL, Planalto. Lei nº 10.973, de 02 de dezembro de 2004. Brasília, 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm>. Acesso em: 5. mai. 2019.

______. Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016 – Código de Ciência, Tecnologia e Inovação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 jan. 2016. Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13243.htm#art2>. Acesso em: 5. mai. 2019.

______. Decreto n. 9.283, de 7 de fevereiro de 2018. Regulamenta a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016, o art. 24, § 3º, e o art. 32, § 7º, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, o art. 1º da Lei nº 8.010, de 29 de março de 1990, e o art. 2º, caput, inciso I, alínea “g”, da Lei nº 8.032, de 12 de abril de 1990, e altera o Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009, para estabelecer medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, com vistas à capacitação tecnológica, ao alcance da autonomia tecnológica e ao desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional. Diário Oficial da União, 08 de fev. de 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/D9283.htm. Acesso em: 5. mai. 2019.

BREM, A.; RADZIWON, A. Efficient Triple Helix collaboration fostering local niche innovation projects–A case from Denmark. Technological Forecasting and Social Change, v. 123, p. 130-141, 2017.

CAMPOS, I. F. A. Estudo comparativo entre os mecanismos de criação dos Núcleos de Informação Tecnológica Industrial, dos Núcleos de Apoio ao Patenteamento/Escritórios de Transferência de Tecnologia e dos Núcleos de Inovação Tecnológica. 2014. 47f. Dissertação (Mestrado profissional em Propriedade Intelectual e Inovação) - Instituto Nacional da Propriedade Industrial, INPI, Rio de Janeiro, RJ, 2014.

CASTRO, B. S.; SOUZA, G. C. O papel dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) nas universidades brasileiras. Liinc em Revista, v. 08, p. 125-140, 2012.

COUTINHO, G. S.; SILVA, A. V. Subsistema normativo de Ciência, Tecnologia e Inovação. Blucher Education Proceedings, v.2, n.1., janeiro, 2017. Disponível em: http://www.proceedings.blucher.com.br/article-details/subsistema-normativo-de-cincia-tecnologia-e-inovao-25382. Acesso em: 4. Maio. 2019.

DUDZIAK,. A. Lei da Inovação e pesquisa acadêmica: o caso PEA. 2007. 374 f. ed. rev. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo.

FERREIRA, M. C. Z.; TEIXEIRA, C. S. Núcleo de inovação tecnológica: Alinhamento conceitual. Florianópolis: Perse, 17p: il. 2016. Disponível em: http://via.ufsc.br/wp-content/uploads/2017/06/e-book-NITs.pdf. Acesso em: 5. Mai. 2019.

GODOY, A.S. Pesquisa qualitativa – Tipos Fundamentais, Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, mai./jun. 1995.

GOMES, S.; ROCHA, J. Gestão da informação: o caso das empresas participantes do programa de incubação de empresas da Universidade Federal de Goiás. Palabra Clave, La Plata, v. 1, n. 1, p. 21-39, out. 2011.

LOTUFO, R. de A. A institucionalização de Núcleos de Inovação Tecnológica e a experiência da Inova UNICAMP. In: Transferência de Tecnologia: Estratégias para estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas, SP: Komedi, 2009.

MERRIAM, S. Qualitative Research and Case Study Applications in Education. San Francisco: Jossey-Bass, 1998.

MESQUITA, R. F.; MATOS, F. R. N. A abordagem qualitativa nas ciências administrativas: aspectos históricos, tipologias e perspectivas futuras. Revista Brasileira de Administração Científica, v. 5, n. 1, p. 7-22, 2014.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÕES E COMUNICAÇÕES Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Relatório FORMICT 2016: Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas e Tecnológicas do Brasil. Brasília: DF, 2017. Disponível em: https://www.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/tecnologia/propriedade_intelectual/arquivos/Relatorio-Formict-Ano-Base-2016.pdf. Acesso em: 9 maio. 2019.

MOURA, E. N. et al. A importância da política de inovação e análise desempenho dos Institutos de Ensino Superior (IES) Federais do Estado da Bahia, 2013. Disponível em: http://www.altec2013.org/programme_pdf/1443.pdf. Acesso em 8. Mai. 2019.

RAUEN, C. V. O Novo marco legal da inovação no Brasil: o que muda na relação ICT-empresa? 2016. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/6051

Acesso em: 2. Mai. 2019.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B.. Proceso de investigación. Metodología de la investigación, p. 1-8, 1991.

SCHERER, F. O. Gestão da inovação no setor público: a metodologia do octógono da inovação no setor público. Porto Alegre: Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação, 2015.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO A MICRO E PEQUENA EMPRESA. O novo Marco de Ciência, tecnologia e Inovação. Sebrae Nacional - 12/07/2018. Disponível em:

http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-novo-marco-legal-de-ciencia-tecnologia-e-inovacao,8603f03e7f484610VgnVCM1000004c00210aRCRD. Acesso em: 5. Abr. 2019.

YIN, R. K. Estudo de Caso-: Planejamento e métodos. Bookman editora, 2005.

Publicado
16-04-2020
Como Citar
Xavier dos Santos, S., Brenner Barreto Miranda, A. L., Hermann Nodari , C., Froehlich, C., & Custódio de Sena, D. (2020). O papel estratégico das NITs na política de inovação das instituições de ensino superior. Gestão E Sociedade, 14(38), 3545-3576. https://doi.org/10.21171/ges.v14i2.3056