Determinantes da deslistagem no Brasil: a estrutura de propriedade e controle influencia o fechamento de capital das firmas?

  • Edson Carlos Cordeiro Júnior Universidade Federal de Uberlândia, Brasil
  • Fernanda Maciel Peixoto Universidade Federal de Uberlândia, Brasil
  • Luciana Carvalho Universidade Federal de Uberlândia, Brasil
Palavras-chave: Deslistagem voluntária, estrutura de propriedade e controle, estrutura piramidal

Resumo

Este trabalho investigou a relação entre deslistagem voluntária e estrutura de propriedade/controle, em especial se as estruturas piramidais de controle impactam na probabilidade de deslistagem no Brasil. A amostra do estudo envolveu todas as empresas listadas na B3 no período de 2012 a 2017, período em que foram registradas 153 deslistagens voluntárias no país. O método selecionado foi a regressão logística, dado que a variável dependente – deslistagem voluntária – é binária. Como principais resultados, constatou-se uma relação negativa entre deslistagem e tamanho da firma e entre deslistagem e liquidez da ação. Por sua vez, detectou-se relação positiva entre fechamento de capital e disponibilidade de caixa. Entretanto, não se observaram efeitos significativos entre deslistagem e estrutura de propriedade e controle para as firmas brasileiras.

 

Palavras-Chave: Deslistagem Voluntária, Estrutura de Propriedade e Controle, Estrutura Piramidal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Maciel Peixoto, Universidade Federal de Uberlândia, Brasil

Doutora em Administração pelo Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais (2012), com período sanduíche no Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa. Mestre em Administração pela Universidade Federal de Uberlândia (2005), Graduada em Administração pela Universidade Federal de Uberlândia (2002). Professora Adjunta na Faculdade de Gestão e Negócios da Universidade Federal de Uberlândia, na área de Finanças. Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) da FAGEN/UFU, na Linha Finanças e Controladoria.

Luciana Carvalho, Universidade Federal de Uberlândia, Brasil

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Uberlândia (2000), mestrado em Economia pela Universidade Federal de Uberlândia (2003) e doutorado em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Uberlândia (2013). Tem experiência na área de Economia e Finanças, com ênfase em Organização Industrial e Estudos Industriais, atuando principalmente nos seguintes temas: estratégias, Inovação e finanças corporativas. Atualmente é professora Faculdade de Gestão de Negócio da Universidade Federal de Uberlândia na área de finanças

Referências

ANDRADE, Lelis Pedro; BRESSAN, Aureliano Angel; IQUIAPAZA, Robert Aldo. Pyramidal ownership structure, dual class shares and firms’ financial performance in Brazilian market. Brazilian Review of Finance, v. 12, n. 4, p. 555-595, 2014.
ALDRIGHI, Dante M.; POSTALI, Fernando AS. Propriedade piramidal das empresas no Brasil. Revista Economia, v. 12, n. 1, p. 27-48, 2011.
ALMEIDA, Heitor V.; WOLFENZON, Daniel. A theory of pyramidal ownership and family business groups. The journal of finance, v. 61, n. 6, p. 2637-2680, 2006.
ASLAN, Hadiye; KUMAR, Praveen. Lemons or cherries? Growth opportunities and market temptations in going public and private. Journal of Financial and Quantitative Analysis, v. 46, n. 2, p. 489-526, 2011.
BHARATH, Sreedhar T.; DITTMAR, Amy K. Why do firms use private equity to opt out of public markets?. The Review of Financial Studies, v. 23, n. 5, p. 1771-1818, 2010.
BARBOSA FILHO, Fernando de Holanda. A crise econômica de 2014/2017. Estudos Avançados, v. 31, n. 89, p. 51-60, 2017.
BORTOLON, Patricia Maria; DA SILVA JUNIOR, Annor. Fatores determinantes para o fechamento do capital de companhias listadas na BM&FBOVESPA. Revista Contabilidade & Finanças-USP, v. 26, n. 68, p. 140-153, 2015.a
BORTOLON, Patricia Maria; DA SILVA JUNIOR, Annor. Deslistagem de companhias brasileiras listadas na bolsa de valores: evidências empíricas sobre a Governança Corporativa. Brazilian Business Review, p. 97, 2015.b
BORTOLON, PATRICIA MARIA. Por que as empresas brasileiras adotam estruturas piramidais de controle. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, v. 10, n. 1, p. 2-18, 2013.
BORTOLON, Patricia Maria; LEAL, Ricardo PC. Determinantes da estrutura piramidal de controle. In: X Encontro Brasileiro de Finanças. 2010.
CHAPLINSKY, Susan; RAMCHAND, Latha. What drives delistings of foreign firms from US Exchanges?. Journal of International Financial Markets, Institutions and Money, v. 22, n. 5, p. 1126-1148, 2012.
CHARITOU, Andreas; LOUCA, Christodoulos; VAFEAS, Nikos. Boards, ownership structure, and involuntary delisting from the New York Stock Exchange. Journal of Accounting and Public Policy, v. 26, n. 2, p. 249-262, 2007.
CAIXE, Daniel Ferreira; KRAUTER, Elizabeth. A influência da estrutura de propriedade e controle sobre o valor de mercado corporativo no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças-USP, v. 24, n. 62, p. 142-153, 2013.
COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Bookman, 2005.
EID JÚNIOR, William; HORNG, Wang Jiang. A saída: uma análise da deslistagem na Bovespa. 2005.
GONÇALVES, Rafael Estanislau. Boas práticas de governança corporativa reduzem os riscos dos acionistas em crises econômicas?. 2009. Tese de Doutorado.
GOKTAN, M. Sinan; KIESCHNICK, Robert; MOUSSAWI, Rabih. Corporate governance and corporate survival. University of Texas at Dallas, United States of America, 2006.
HAIR, Joseph F. et al. Análise multivariada de dados. Bookman Editora, 2009.
HEALY, Paul M.; WAHLEN, James M. A review of the earnings management literature and its implications for standard setting. Accounting horizons, v. 13, n. 4, p. 365-383, 1999.
KHANNA, Tarun; YAFEH, Yishay. Business groups in emerging markets: paragons or parasites?. Journal of Economic literature, v. 45, n. 2, p. 331-372, 2007.
LEUZ, Christian; TRIANTIS, Alexander; WANG, Tracy Yue. Why do firms go dark? Causes and economic consequences of voluntary SEC deregistrations. Journal of Accounting and Economics, v. 45, n. 2-3, p. 181-208, 2008.
MILLER, D. A.; FRANKENTHALER, M. J. Securities registration: delisting/deregistration of securities under the Securities Exchange Act of 1934. Insights, v. 17, n. 10, p. 7-12, 2003.
MICHELSEN, Marc; KLEIN, Christian. “Privacy please!” The public to private decision in Germany. Review of Managerial Science, v. 5, n. 1, p. 49-85, 2011.
MARTINEZ, Isabelle; SERVE, Stéphanie. The delisting decision: The case of buyout offer with squeeze-out (BOSO). International Review of Law and Economics, v. 31, n. 4, p. 228-239, 2011.
MAUPIN, Rebekah J.; BIDWELL, Clinton M.; ORTEGREN, Alan K. An empirical investigation of the characteristics of publicly‐quoted corporations which change to closely‐held ownership through management buyouts. Journal of Business Finance & Accounting, v. 11, n. 4, p. 435-450, 1984.
POUR, Eilnaz Kashefi; LASFER, Meziane. Why do companies delist voluntarily from the stock market?. Journal of Banking & Finance, v. 37, n. 12, p. 4850-4860, 2013.
PALIGOROVA, Teodora; XU, Zhaoxia. Complex ownership and capital structure. Journal of Corporate Finance, v. 18, n. 4, p. 701-716, 2012.
Publicado
31-08-2020
Como Citar
Cordeiro Júnior, E. C., Peixoto, F. M., & Carvalho, L. (2020). Determinantes da deslistagem no Brasil: a estrutura de propriedade e controle influencia o fechamento de capital das firmas?. Gestão E Sociedade, 14(40), 3899-3922. https://doi.org/10.21171/ges.v14i40.3097