Estórias do passado para um futuro pós-COVID 19: além da normalidade da ‘boa gestão’

  • Alexandre Faria Fundação Getúlio Vargas
  • Marcelo de Souza Bispo Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: gestão, pandemia, COVID-19, decolonialidade

Resumo

Por meio de uma perspectiva histórico-decolonial para a maioria interrogamos o retorno do futuro pós-COVID 19 à normalidade. A normalidade é conceituada neste artigo como uma pandemia governada pelo capitalismo patriarcal que foi inaugurada em 1492 com a invasão/descoberta da América por uma ordem humana eurocêntrica predominantemente contrária à vida. A pandemia da normalidade (PN) é constituída por binarismos da normalidade (BN) baseados no binarismo saúde-doença cuja efetividade depende da vigilante mobilização da ‘boa gestão’ que combate e apropria territórios, histórias-outras, e realidades solidárias vividas pela maioria em escala global. Neste artigo compartilhamos uma saída para o futuro, em busca de espaços para intervenções e ativismos solidários para além dos binarismos da ‘normalidade’ dentro e fora da universidade neoliberal predominantemente branca em transformação. Compartilhamos uma estória do passado que contempla não apenas violência, gula e vitória privilegiadas pela história, mas em especial resistência e solidariedade mobilizadas cotidianamente por comunidades, sociedades e indivíduos que constituem a maioria que vive um futuro-presente no qual a história da normalidade e histórias-outras coexistem, colidem e coalescem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAUMAN, Z. Modernity and Ambivalence, Theory, Culture & Society, v. 7, p. 143-169, 1990.

CONTU, A. Answering the crisis with intellectual activism: Making a difference as business schools scholars. Human Relations, 2016. https://doi.org/10.1177/0018726719827366.

COOKE, B.; ALCADIPANI, R. Toward a global history of management education: the case of the Ford Foundation and the São Paulo School of Business Administration, Brazil. Academy of Management Learning & Education, v. 14, n. 4, p. 482-499, 2015.

DARDOT, P.; LAVAL, C. The new way of the world: on neoliberal society. New York: Verso, 2013.

DAR, S. The masque of Blackness: Or, performing assimilation in the white academe. Organization, v. 26, n. 3, p. 432-446, 2019.

DUSSEL, Enrique. Ethics of liberation: In the age of globalization and exclusion. Duke University, 2013.

FALS-BORDA. O.; RAHMAN, M. (Eds). Action and knowledge: breaking the monopoly with participatory action-research. New York: Apex Press, 1991.

FANON, F. Black Skin, White Masks. New York: Groove, 2008.

FARIA, A.; HEMAIS, M. Transmodernizing Management Historiographies of Consumerism for the Majority. Journal of Business Ethics, 2020. https://doi.org/10.1007/s10551-020-04528-y.

FAULKNER, N. A Radical History of the World. London: Pluto Press, 2018.

MILLS, C. Black Rights/White Wrongs: The Critique of Racial Liberalism. New York, NY: Oxford University Press, 2017.

MIGNOLO, W.; WALSH, C. On decoloniality: Concepts, analytics, praxis. Duke University, 2018.

MIGNOLO, W. The darker side of western modernity: Global futures, decolonial options. Duke University, 2011.

PAULA, A. P. P. D. Administração pública brasileira entre o gerencialismo e a gestão social. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 1, p. 36-49, 2005.

RAMOS, A. G. A nova ignorância e o futuro da administração pública na América Latina. Revista de Administração Pública, v. 4, n. 2, p. 7-45, 1970.

SOUSA SANTOS, B. The End of Cognitive Empire: The Coming of Age of Epistemologies of the South. Durham: Duke University Press, 2018.

TAYLOR, B. From alterglobalization to Occupy Wall Street: Neoanarchism and the new spirit of the left. City, v. 17, n. 6, p. 729-747, 2013.

TRAGTENBERG, M. Administración participativa en Brasil: Lages y Boa Esperança. Revista Interamericana de Planificación, n. 63/64, p. 245-258, sep./dic. 1982.

Publicado
01-06-2020
Como Citar
Faria , A., & Bispo, M. de S. (2020). Estórias do passado para um futuro pós-COVID 19: além da normalidade da ‘boa gestão’ . Gestão E Sociedade, 14(39), 3759-3768. https://doi.org/10.21171/ges.v14i39.3311